Pesquisar este blog

As Asas do Condor


Durante muitos anos,o Condor se preparou para voar soberano pelos Ares, em todas as camadas; em todas as direções cobrindo longas distâncias, aproveitando para construir sua sabedoria...
Durante estas andanças, o mundo passou sob suas Asas e ele apenas observou, parecendo distante, porém utilizando-se de todos os seus sentidos apreciou cada detalhe em sua viagem .
Pela sabedoria,construída através dos tempos, tornou-se naturalmente conhecedor de todos os segredos...
Sob o que foi observado é que vamos falar...
Sejam muito bem vindos ..
O CONDOR....

contador


contador

terça-feira, 8 de junho de 2010

quando se ouve o eco da propria voz.

Quando se ouve o eco da própria voz


A solidão é que faz a própria voz massacrante pois contém o seu eco como carrasco.
E assim sempre que você estiver só, sua voz exerce um peso maior para complicar ou até descomplicar o seu entendimento sobre as coisas.
A solidão ao passo que pode ser benéfica pode também fazer com que sua visão sobre o mundo seja distorcida e não reflita a realidade que você está vivendo.
A solidão não é senão a sórdida realidade que fala mais alto dando a entender que tudo está dependendo da vida.
O desenrolar da vida humana deve ser entendido também como sendo um meio de controle natural, ou seja, uma forma de equilíbrio natural.
Muitas vezes isto parece ser apenas factual, quando analisamos nossa vida diante da complexidade que a vida contém, mas tenha a certeza que somente o homem poder ser o equilíbrio do planeta, pois sabe destruir e aprendeu rapidamente que pode cuidar e preservar.
É preciso refletir para não se deixar levar , diante de todos os sons existentes no mundo, à uma conclusão errada. Muitas vozes se levantam e cada qual empunhando uma defesa ou uma bandeira.
Quando se fala em destruição não se fala da humanidade destruindo o planeta, mas sim de alguns homens, e da mesma forma quando se fala de preservação se fala de algumas pessoas que se encontram no topo de uma pirâmide ostentando conhecimentos e capacidade para liderar e provocar as modificações. Então tudo depende de poucas pessoas e, em ultima instância de uma única pessoa.
E, é nesta ordem de raciocínio que acordei hoje e vi minha montanha mágica totalmente branca, coberta por uma fina camada de gelo, pois a madrugada foi muito fria..
Muitos morrerão de frio, mas nem todos morrerão, então sobrarão invernos para muitos e muitos anos, talvez alguns milhões de anos.
Não que eu seja otimista, mas é que sem a presença do homem o inverno não tem significação alguma. O homem somente se apieda e toma conta da situação quando vê que a coisa além de acontecer com seus semelhantes pode acontecer com ele. Então é assim que ele vai se adaptando às condições adversas do mundo e do clima.
Talvez por isto estou refletindo coisas nesta madrugada gelada em minha montanha magica.
Estou falando, ou ouvindo apenas o espírito de pessoas que povoam esta montanha. Engana-se você se acha que existam espíritos de pessoas que morreram apenas.
Aqui em minha montanha mágica até os espíritos de pessoas vivas caminham e buscam muitas vezes um refrigério para que a vida possa prosseguir em direção ao futuro.
Olho mais para baixo em direção ao pequeno lado onde uma cachoeira preguiçosa teima em correr diante de tudo congelado.
Bem calmamente observando a montanha está xikinhu enrolado com seu cachecol vermelho.

-Ola Xikinhu.
-Ola Caminhante. Você por aqui a estas horas... é muito frio. Você tem que se cuidar... aliás, todos aqui na montanha só falam isto: você precisa cuidar de sua saúde..
-É eu sei , mas vou sair desta, garanto... e vou dar muito trabalho pra vocês ainda do lado de cá. ...
E, você o que faz por aqui...?
-Vim encontrar com minha mãe!
-Quer dizer falar com sua Mãe, Né?
-Não Caminhante, eu vim até aqui para vê-la , para encontrar com ela. Hoje o espírito dela deve aparecer aqui na montanha mágica. Ela tem um carinho muito especial por este lugar e tem ânsia de conhecer todos os cantos desta montanha, porque afinal ela sabe que minhas energias vivem por aqui.
-Tá certo, mas não quero que você se decepcione se não poder encontrar-se com sua Mãe.
Então se você quiser escreva que eu posso entregar para ela seu bilhete.
-Não se trata de falar , Caminhante, eu pouco tenho o que falar para ela. Sinto falta do abraço dela, de nossas conversas , de estar no colo dela, e ela fazendo carinho em minha cabeça. De sentir o cheiro dela que é inconfundível... Ela é linda sabia...ela é muito bonita mesmo e, ainda mais sendo minha mãe..rs...
-Pois é, eu não estou entendendo muito esta sua conversa. Acho que o frio é que esta provocando um certo delírio em você. Mas, enfim seja como você quiser.
Minha vida não tem sido fácil, ainda que eu tenha aceso à montanha mágica. Parece até que eu não tenho acesso às benesses da montanha para meu uso. Talvez isto seja até um tipo de proteção, pois toda montanha me faz bem e, não apenas um lugar específico.
Então continuo minha caminhada e repentinamente vejo em minha frente contra luz uma silueta esguia, vestindo um vestido longo e esvoaçante... numa caminhada elegante, passo a passo olhando a montanha cuidadosamente, e, vez em quando colhendo uma flor, e cheirando e acarinhando outras... É um caminhar de descobrimento e vez por outra entre um passo e outro a vestimenta semi transparente deixa entrever uma silueta esguia, quando se contrapõe ao sol da madrugada que nasce preguiçosamente.
Fico alguns segundos admirando aquele momento de extrema e rara beleza e, a mulher parece caminhar com tanta intimidade pela montanha e,eu fico observando para ver se a conheço...
Seus passos são seguros e demonstra maturidade e segurança no caminhar. Então não pode ser uma bela jovem, mas sim uma jovem senhora que à luz de minha montanha a deixa simplesmente linda .
Vejo a mulher, apenas contra a luz ,então não posso reconhecer os seus traços mas sei que é loura, pois seus cabelos esvoaçam com a brisa e parecem dourado com a luz do sol amarelecido e avermelhado da madrugada.
Ela continua caminhando por entre a relva e alguns pássaros pousam perto . Ela então aproxima-se deles e estica uma varinha feita de galho seco e um deles se aproveita e pousa.
Delicadamente ela aproxima a varinha de seu rosto e o pássaro parecendo entender deixa se aproximar e abre as asas como se estivesse querendo abraçar a mulher.
Ouros pássaros se aproximam e cobrem a mulher com suas cantorias e ela, parecendo inebriada pelas melodias, parece bailar entre o capinzal fazendo esvoaçar seu vestido longo e semi transparente.
Um espetáculo eu não me deixa de querer saber quem é, então desço um pouco a encosta e percebo que ela me olha, e inicia uma carreira com os braços abertos em minha direção . Então quase voando, parecendo caminhar sem tocar no chão vejo a mulher se aproximando rapidamente e somente quando ela esta há um metro e não para de correr com os braços abertos é que eu percebo qu7e a conheço...é Tânia...é Tânia Maclóvia...
Ela não para e atravessa meu corpo e o choque me leva ao chão, como se eu estivesse sido atravessado por uma corrente de vento muito forte...
Deitado na relva a vejo enganchar-se num abraço com Xikinhu que estava logo atrás de mim. Um abraço com a força de transcender a própria existência da morte.
Durante alguns minutos se abraçam e se soltam; se olham e sorriem, e se abraçam e sorriem e choram e vivem em poucos segundos todas as sensações que somente Mãe e filho podem guardar em seus peitos.
Um momento que não tenho palavras para descrever, até porque não houveram palavras entre eles ..e, eu tive a sensação de que eles se entendiam perfeitamente bem naquele momento e, que exatamente naquele instante eles estavam integrados e unidos pelo amor eterno e incondicional que existe entre Mãe e filho.
Poucas vezes na vida acho que alguém pode presenciar o encontro de uma Mãe que vive e o filho que já partiu há alguns anos para o outro lado do caminho.
A morte não foi suficientemente forte para separá-los e talvez quisesse que eu testemunhasse aquele momento.
Demorei alguns minutos presenciando aquela cena até perceber que havia alguém ao meu lado, calçando sandálias de tiras com solado de couro, um cajado de madeira vestindo um habito de monge beneditino.
Ele estendeu a mão para que eu me levantasse e aceitei. Assim, fui puxado para ficar em pé, rapidamente.
-Caminhante – disse o monge – você esta presenciando um encontro entre Mãe e filho, atrave´s do sonho de Mãe. Esta Mãe ainda tem uma missão nesta terra, antes de passar para o outro lado do caminho.
-Mas, ela sabe que esta aqui em minha montanha?
-Saberá sim, mas o que realmente importa para ela é a euforia que ela esta vivendo e a possibilidade de reencontrar-se com o filho, em sua montanha mágica... Creia, isto é uma realidade, porque muitas pessoas precisam deste seu espaço para poderem viver além da vida e isto lhes faz muita falta.Aqui ela não o reconhecerá, mas com o tempo, num outro dia, talvez ela lhe conte sobre um sonho maravilhoso daí poder dizer que havia alguém por la que parecia com você. Enfim meu amigo, deixe que ela viva este sonho sem importuná-los. Até mais ver meu amigo Caminhante e cuide de sua saúde, porque suas palavras serão eternas mas você não.
E dizendo isto o monge caminhou calçando o terreno com seu cajado a cada passo, até que um revoada de pássaros o cobriu e quando voaram novamente, não havia mais ninguém, apenas o broto de uma roseira que despontava.
Enquanto isto eu me aquecia tomando um gole de café oferecido por uma negra linda vestida de branco que beijou minha face e disse:” A solidão é que faz a própria voz massacrante pois contém o seu eco como carrasco. “ e acrescentou - Meu querido não se fie apenas nas vozes porque os pensamentos é que produzem o palco para que as vozes possam ecoar. Creia, eu entendo disto.
-Eu conheço você ? pergunto um tanto aturdido pela cena repentina que aquela mulher provocava ao citar uma frase de um texto meu que ainda nem escrito estava, quiça publicado. Como ela sabia?
-Se puder, se sua consciência puder, e se você for livre em sua fé e dono de seus proprios caminhos me dê um abraço...Sou Inhansã e, esta é a forma como você me vê.
E dizendo isto, abriu os braços e um sorriso irresistível e a abracei... Foi um abraço além dos limites... Al´pem de todos os limites humanos e transcendentais, e senti como se a efervescência da vida corresse por minhas veias ... Imaginei eu, um mortal,incapaz de aceitar a própria limitação estava abraçando uma Deusa, uma Entidade Espiritual de outro continente..
-Sim Caminhante, sou uma deusa de um povo de outro continente; de um continente que até em sua forma se parece muito com o seu, atenha-se a isto.
Despedindo –se com um sorriso desaparece pela montanha .
Me resta agora descer em direção à cabana que a esta altura deve estar fumegando pela chaminé junto o cheiro de café fresquinho.
É o limiar do outono do ano de 2010. Logo será inverno e o frio será o dono da estação, porém, espero que a friagem nunca se instale dentro dos corações, porque sempre a vida tem solução.
Durante esta época faço meu retiro espiritual para cuidar de meu espírito e de minha saúde e, assim, muitas vezes através de minha condição paranormal encontro em minha montanha mágica com os espíritos das pessoas que vivem, mas que podem se encontrar comigo através de seus sonhos, afinal vivo a vida por inteiro e não aos pedaços então tenha certeza que posso caminhar além da morte.
Para quem não acredita eu apenas digo : continue duvidando, porque vocês precisam do benefício da dúvida para saberem que estão vivos... enquanto eu vivo.
Descendo a montanha encontro todos os anjos alinhados em um corredor e eu caminho entre eles, como se eles soubessem que neste momento o que mais preciso é vê-los sempre sorrindo e mandando beijos e saudades de seus pais .
Lorena de Quel – manda beijos e saudades e um cafuné no Caíque Domarco.
Luanne de Luciene Lu’z – envia luz e conforto para Marco Pai, Thayssa, e Marco irmão e pra Mãe.
Fernando de Shirlene - saudades e muita fé.
Michel de Eliane Chedad – Pai, Mãe, tudo vai se ajeitar...
Rafael de Eliana Baladão – Tua luz será fruto do tempo.
Malu de Valdilene – Mainha,um cheiro, um abraço e uma lambida...
Rodrigo de Vanessa Ribeiro – Voce precisa voltar à vida, eu seguro em tuas mãos.
Marcos de Célia – Não se sinta traída pela vida, minha mãe, respire fundo e viva .
Thais de Célia Regina – Adaptar-se à novas realidades é talento seu Mãe, use-o.
Leandro de Martinus – Pai a força não esta em tuas mãos, mas em teu coração e tudo o que puderes produzir com tua fé.



Léo,

3 comentários:

Kyka Freitas disse...

LÉO, GOSTEI MUITO DESTE TEXTO, BASTANTE COMPREENSIVO E CHEIO DE MENSAGENS, HOJE ESTOU UM POUCO REFLEXIVA E LER ESTAS PALAVRAS ME FEZ ENXERGAR ALÉM DO QUE EU PODIA IMAGINAR. PARABÉNS, BOAS PALAVRAS MESMO. SERIA MUITO BOM SE TODOS PUDESSEM COMPREENDER QUE AS COISAS SÃO MAIS SIMPLES DO QUE PODEMOS IMAGINAR.

o condor disse...

voce compreendeu que a vida é mais simples do que parece ser, então ja é um grande passso. Porque mistificar quando as coisas podem acontecer naturalmente,
Um beijo pra voce e um Abração no teu Ogro.
léo

NOSSA!! COMO EU AMO A VIDA! disse...

Bom dia Léo, eu estava lendo seu texto, realmente já faz algum tempo, pois senti que a vida é simples, muitas vezes somos nós mesmo que complicamos tudo, eu tambem tive que fazer uma reflexão p/ meu interior e pude perceber que mudanças são necessárias, que o medo é natural, mais só o tempo tráz a segurança, me sinto forte, no decorrer do tempo foram se abrindo grandes possibilidades de trabalhos, assim pude perceber que a vida tem seu curso natural, algumas coisas se vão, para que outras possam chegar, foi duro p/ mim tudo isso, mais me sinto forte o suficiente p/ continuar!

BJOS LÉO P/ VC E A VAL, ADORO VOCES DEMAIS...